8 de dezembro de 2017

Batalha: crianças arriscam suas vidas para chegar à escola

O esforço de estudantes do município de Batalha para ter acesso à educação anda ao lado do perigo. Sem alternativas, crianças das comunidades rurais são obrigadas a se locomover em cima de carrocerias de carros velhos e inapropriados para chegar à escola. O município é governado pela dupla “João e José”.

Apesar de o transporte de pessoas no compartimento de cargas de veículos ser proibido por lei, a prefeitura de Batalha infringe a lei ao contratar caminhões e caminhonetes para levar os alunos para as escolas.

Na última quinta-feira (7), o grupo de Whatsapp Folhadebatalha.com.br recebeu esse vídeo (veja abaixo) amador onde mostra crianças sendo transportadas em condições precárias e colocando em risco a vida de aproximadamente 20 alunos da escola Luiz Segundo, localizada na comunidade Cacimbas II, região do Baixo Longá.


Além do risco de cair fora da proteção do caminhão, coisa que inclusive já aconteceu em uma época não muito distante, os estudantes chegam na escola com os uniformes sujos devido a poeira. Para membros do grupo FB, isso é desumano e cruel “Até os carros de carga viva tem mais segurança”, disse um dos membros.

Em 2003, durante o segundo governo do atual prefeito, um grave acidente envolvendo uma camionete tipo “pau-de-arara”, que transportava estudantes do povoado Canabrava, tirou a vida de um adolescente. O estudante foi arremessado para fora da carroceria e atingido pelo veículo, tendo morte imediata. Imaginou-se que a partir desse triste episódio, esse transporte fosse totalmente abolido em Batalha, mas não foi isso que aconteceu.

Alguns veículos estariam supostamente com documentação atrasada e há suspeita de atuação de motoristas sem habilitação ou com habilitação inadequada para transporte de estudantes. Outra suspeita é de que alguns veículos sublocados estariam em nome de “laranjas” e beneficiando vereadores e outros políticos.

Os órgãos de fiscalização têm conhecimento dos fatos, mas fazem vista grossa para as irregularidades.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Compartilhar