2 de dezembro de 2018

Cabeça de jovem dobra de tamanho após reação alérgica à tintura

Le Parisien/Reprodução 

Uma garota inglesa de 19 anos chamada Estelle sofreu uma grave reação alérgica provocada pela substância P-fenilenodiamina, ou PPD, contida em tintura para cabelos. Ela postou fotos do rosto e da cabeça desfigurados. As informações são do site da Cláudia.

Estelle comprou a tinta em um supermercado em Paris, na França. Logo depois de aplicar, os primeiros sinais de irritação começaram a aparecer. O couro cabeludo coçava e o rosto inchou. Ela passou algumas pomadas em casa, mas se assustou ao ver sua imagem no espelho no dia seguinte. “Eu ainda conseguia enxergar, mas estava tendo dificuldades para respirar”, disse ao jornal Le Parisien.

“A minha testa dobrou de tamanho e a minha cabeça parecia uma lâmpada”, continuou. Ela contou ainda que que até a língua começou a inchar. Ao procurar o hospital, os médicos disseram que sua cabeça, de 56 centímetros, havia aumentado para 63.

Essa não foi a primeira vez que Estelle sofreu com reação alérgica a tinturas e por isso sempre testa antes os produtos. Mas, as invés de aguardar as 48 horas recomendadas, ela aplicou a tinta apenas meia hora depois de testá-la. Para a mãe da jovem, deveria haver maior conscientização em relação aos riscos do químico.
Le Parisien/Reprodução 

 O que é P-fenilenodiamina ou PPD

O PPD é um composto químico usado na maioria das tinturas permanentes. No rótulo dos produtos, pode ser descrito também como 4-Abp. “A substância pode causar dermatite de contato ou alérgica, por isso é essencial que as pessoas façam um teste antes da aplicação. Quando há dermatite de contato, a pessoa tem ardência, pequenas feridas e coceiras. Já na alérgica, as pálpebras podem inchar”, explica a esteticista e cosmetóloga Vivi Afecto. 

O uso não é indicado também quando há algum tipo de ferida no couro cabeludo para evitar o contato com a corrente sanguínea.

Há casos de pessoas que entraram em coma e até morreram por causa de reações ao químico. Estudos ligam a substância com alguns tipos de câncer. O PPD chega até a ser proibido em alguns países. No Brasil, o uso é autorizado pela ANVISA.

Se você tinge os cabelos com frequência e for trocar de marca, a cosmetóloga aconselha a sempre testar o produto e aguardar 24 horas para saber se não há nenhuma reação indesejada. “A concentração pode mudar de um produto para outro”, afirma.

“Quem tem alergias, pele sensível ou simplesmente não quer fazer uso do PPD, pode optar por tonalizantes à base vegetal”, aconselha a profissional.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Compartilhar